Coroa de turquesas, diamantes e prata que Napoleão deu a a Marie Louise em seu casamento, em 1810

Coroa de turquesas, diamantes e prata que Napoleão deu a a Marie Louise em seu casamento, em 1810. Originalmente, ela tinha esmeraldas que foram substituídas por lindas turquesas iranianas pela Van Cleef and Arpels

Esta gema opaca, com cor variando entre o azul e o verde, composta de fosfato, cobre e alumínio, é admirada e utilizada em inúmeras culturas há milhares de anos. Ela foi uma das primeiras gemas a ser explorada, lá pelos idos de 6.000 aC e isso se deve à pequena profundidade de sua ocorrência e à facilidade do processo, que exige pouca mecanização e pode ocorrer em pequena escala.

Ela recebeu o nome pelo qual se tornou mundialmente conhecida, apenas no século XVI a partir do francês: pierre turquin (pedra azul escuro) e turquois (já que os franceses a tomaram por uma gema original da Turquia e não como uma gema adquirida pelos venezianos nos bazares turcos desde o tempo das Cruzadas).

 

Matrizes de turquesa

Matrizes de turquesa

Muito frágil, a turquesa é uma gema porosa, com dureza um pouco acima do vidro na escala de Mohl. Sua cor varia do branco ao azul e do verde-azulado ao verde amarelado. Os tons azulados são devido à concentração de cobre e os tons esverdeados à presença de ferro ou a desidratação da gema com o passar do tempo. Ela ganha uma superfície brilhante ao ser bem polida e frequentemente apresenta fragmentos dourados de pirita ou veios escuros de limonita. Ela é um mineral secundário, ou seja, forma-se a partir da oxidação ou da ação de soluções ácidas sobre minerais pré-existentes (azurita, calcopirita, malaquita, feldspato e apatita) e é encontrada em regiões áridas de solos de formação vulcânica. Devido à sua fragilidade, ela costuma ser comercializada em formato de cabochão e contas perfuradas.

 

 

Contas de turquesa em tons variados

Contas de turquesa em tons variados

Menos de 10% das turquesas dispensam tratamento e são usadas na joalheria em seu estado natural. Estas são gemas de altíssima qualidade, naturalmente duras. Aquelas sem traço de sua matriz são as que atingem o maior valor de mercado. Há vários métodos distintos de tratamento ou de alteração desta gema. Todos eles têm por objetivo aperfeiçoar seu aspecto e estabilizar sua cor, que se altera com o passar do tempo, e também sua estrutura, que é muito porosa e frágil. A maioria deles inclui a aplicação de resinas naturais (ceras e óleos) ou não (epóxi e poliestireno), tintas (azul da Prússia), de calor, pressão ou irradiação.

Anel de Silvia Furmanovich, ela sabe dar um uso sofisticadíssimo às turquesas

Anel de Silvia Furmanovich, ela sabe dar um uso sofisticadíssimo às turquesas

Há ainda as chamadas turquesas reconstituídas. Elas são um aglomerado de resíduos da mineração e lapidação de turquesas unidos por resinas. Não podem ser considerados turquesas naturais independente do teor de resíduos naturais.

Por essas e por outras é que a turquesa tem uma variedade de preços enorme.

Brinco de Silvia Furmanovich

Brinco de Silvia Furmanovich

A turquesa requer bastante cuidado no seu uso e conservação. Elas devem ser protegidas de choques, arranhões, calor, produtos químicos, cosméticos. Sua limpeza deve ser realizada com água e um mínimo de sabão neutro, levando sempre em conta que isto não se aplica a gemas montadas em fios de seda ou algodão.  Ela deve ser guardada em lugar frio e seco, se possível envolta em papel não alcalino.

Ela está presente em jazidas no Afeganistão, Austrália, Chile, China, Estados Unidos (nos estados do Arizona, Nevada, Novo México e Califórnia), Irã, Israel, México, Tanzânia, Tibet e Turquia.

 

Colar Jardim Secreto - Verão I, turquesas e corais em prata cinzelada

Colar Jardim Secreto – Verão I, turquesas e corais em prata cinzelada

As turquesas iranianas são consideradas inigualáveis, por sua dureza e cor. Suas turquesas são de um azul límpido e da melhor qualidade. Provavelmente, o Irã foi a origem das primeiras gemas que chegaram à Europa. A exploração desta gema na região é datada de 3.000 aC. Entre sumérios e egípcios, a turquesa alcançou lugar de destaque em adornos variados. Os objetos encontrados nas tumbas dos faraós são o principal exemplo destes ornamentos. Há mais de 2.000 anos astecas, maias, incas, navarros e apaches a tinham como uma gema sagrada e de grande valor religioso e material. No período vitoriano, no Art Déco e no Art Nouveau o azul esverdeado das turquesas foi muito valorizado, talvez por influência dos achados arqueológicos no Egito e nas Américas.

Como curiosidade, as jóias no estilo dos índios navarros, tão conhecidas nossas, são um desenvolvimento contemporâneo do final do século XIX, com considerável influência do design europeu. Já as peças em prata vindas principalmente do Tibet e da Mongólia são produzidas especificamente para o mercado ocidental a baixíssimo custo e não passam de representações muito empobrecidas da cultura deste país.

Atualmente é uma das gemas mais utilizadas no mundo todo, quem sabe isso não esteja relacionado com o que escreveu Al Kazwini, filósofo persa: a mão que usa uma turquesa nunca se tornará pobre. Vale tentar.

Colar, pingente e anel em turquesa e prata 950

Colar, pingente e anel em turquesa e prata 950

PS – Este post é uma homenagem ao meu pai que gostava de me ver estudando, lendo e escrevendo, mesmo que fosse sobre o universo das jóias.

Tags: ,