Geodo de ametista

Geodo de ametista

Ametista é aquela gema que todo mundo conhece, todo mundo teve uma pecinha quando era criança ou adolescente e, por isso mesmo, ninguém dá lá muito valor. Acontece que a ametista é linda. Eu sou completamente suspeita porque ela carrega a minha cor preferida. Ela tem seu lado brega, já que sua abundância em terras brasileiras a transforma com freqüência em periquitos, papagaios, pequenas árvores e grandes pesos de papel. Vamos deixar isso para lá e nos concentrar na beleza desta gema que combina divinamente bem com ouro, prata e afins.

Conjunto de amestistas, kunzitas e diamantes em ouro  18 quilates, de Van Cleef & Arpels. Dado a Elizabeth Taylor por el maridón Richard Burton

Conjunto de ametistas, kunzitas e diamantes em ouro 18 quilates, de Van Cleef & Arpels. Dado a Elizabeth Taylor por el maridón Richard Burton

A palavra ametista vem do grego amethystus, que significa sóbrio (“-methystos” vem de “methyein” que é bêbado e de “methy” que é vinho). Segundo a mitologia grega, o embriagado Dionísio, deus do vinho, das festas e do prazer, ficou furioso ao ser insultado por um mortal e prometeu se vingar no próximo com que se encontrasse. Como todo o bom deus grego, ele tomou a forma de um tigre para se tornar mais forte e subjugá-lo facilmente. A jovem Ametista estava a caminho de um templo para fazer uma oferenda a Diana, quando foi atacada por Dionísio. Para protegê-la, Diana a transformou numa estátua de quartzo cristalino. O deus chorou lágrimas de vinho ao ver a beleza da estátua e sentir remorso por sua raiva desmedida. Banhada nessas lágrimas, o cristal de rocha se transformou em ametista, a gema que existe no mundo todo.

Coroa de ametistas – provavelmente da Alemanha, século XIV

Coroa de ametistas – provavelmente da Alemanha, século XIV

Por conta do mito grego, à ametista são atribuídos poderes de impedir a embriaguez. Assim como a cor púrpura, ela é considerada a gema da realeza, da sobriedade e da espiritualidade. Há quem acredite que ela tem muitos poderes curativos. Mas o que interessa é que ao longo da história, as monarquias dos mais diversos países e a alta hierarquia de muitas instituições religiosas sempre tiveram adornos e ornamentos compostos de ametistas. Elas representam riqueza, poder, piedade e celibato, ops.

Catarina II da Rússia adorava ametistas e foi responsável por torná-las fashionable nas famílias reais européias

Catarina II da Rússia adorava ametistas e foi responsável por torná-las fashionable entre as famílias reais européias

Princesa Victoria e sua mãe Rainha Silvia da Suécia usam partes do conjunto de ametistas do período napoleônico que pertence a coroa sueca

Princesa Victoria e sua mãe Rainha Silvia da Suécia usam partes do conjunto de ametistas do período napoleônico que pertence a coroa sueca

Conjunto completo de ametistas naturais da Rússia Siberiana – segunda metade do século XVIII

Conjunto completo de ametistas naturais da Rússia Siberiana – segunda metade do século XVIII

Seu uso começou no período neolítico e a ametista nunca foi abandonada como adorno em nenhuma parte do mundo. Ela pode ser encontrada em todos os lugares, variando a intensidade de sua cor e sua pureza de uma região para a outra. Há jazidas em todos os continentes. A ametista mais valiosa é a siberiana por sua cor saturada e sua limpidez. O Brasil possui as maiores jazidas do mundo, mas a maioria das gemas não tem a qualidade necessária para a joalheria. Mesmo assim nossa produção de gemas para joalheria é inigualável.

Anel Diorella, de Victoire de Castellane para Dior

Anel Diorella, de Victoire de Castellane para Dior

Colar "Givre améthyste", de Fred

Colar “Givre améthyste”, de Fred

Joias em ametista da Tiffany – anel Tiffany Sparklers, anel Paloma Picasso Sugar Stacks e brincos Paloma Picasso 20 carats

Joias em ametista da Tiffany – anel Tiffany Sparklers, anel Paloma Picasso Sugar Stacks e brincos Paloma Picasso 20 carats

Anel Solitaire accompagné Améthyste, de Philippe Tournaire

Anel Solitaire accompagné Améthyste, de Philippe Tournaire

Brincos Parentesi Cocktail, de Bvlgari

Brincos Parentesi Cocktail, de Bvlgari

Colar da Marquesa de Santos, evidentemente um regalo de D. Pedro II a D. Domitila de Castro Canto e Melo. Em ouro, ametistas e camafeu de concha, ele faz parte do acervo do Museu Imperial de Petrópolis

Colar da Marquesa de Santos, evidentemente um regalo de D. Pedro I a D. Domitila de Castro Canto e Melo. Em ouro, ametistas e camafeu de concha, ele faz parte do acervo do Museu Imperial de Petrópolis

Brincos da coleção Primavera  e anel da coleção Highlight Stars, ambos da H. Stern

Brincos da coleção Primavera e anel da coleção Highlight Stars, ambos da H. Stern

Colar de ametistas e coral peau d’ange em prata 950, de José Terra, inspirado na coleção Délices de Goa de Cartier

Colar de ametistas e coral peau d’ange em prata 950, de José Terra, inspirado na coleção Délices de Goa de Cartier

Meu colar de ametistas e topázio imperial em prata 950

Meu colar de ametistas e topázio imperial em prata 950

Meu colar de ametistas e citrinos em prata 950

Meu colar de ametistas e citrinos em prata 950

Estou sempre fazendo alguma coisinha em ametista

Estou sempre fazendo alguma coisinha em ametista

A cor maravilhosa da ametista vem da presença de manganês em sua estrutura e, em menor quantidade, de ferro e titânio. Antes da descoberta das gigantescas jazidas nas Américas, as ametistas eram raras e, dependendo de sua qualidade, atingiam preços semelhantes ao de brilhantes. Tamanha era a crença nos poderes místicos deste quartzo que ao longo dos tempos ele sempre foi uma das gemas mais populares. Ela é a gema da espiritualidade, transcendência, desapego e criatividade.

É, acho que gosto mesmo desta gema. Sirva-se à vontade

É, acho que gosto mesmo desta gema. Sirva-se à vontade

Tags: , ,